Versão 2016 da minha lista sobre o que a escola não ensina e deveria ensinar.

Assuntos que não aprendi em escola alguma (e passei por várias), aprendi depois em outros lugares (como livros, seminários, cursos online ou convivendo com amigos bem sucedidos), e que na minha opinião são determinantes para o sucesso:

-Que eu deveria sonhar alto, então deveria duplicar esse sonho, transformar isso em metas e ir atrás delas com persistência;

-Que ainda mais importante do que alcançar as metas que eu deveria perseguir, seria a pessoa que eu me transformaria criando o hábito de ir atrás delas;

-Que eu não escolho meu futuro, mas escolho meus hábitos, e que meus hábitos definiriam meu futuro;

-Que eu poderia sempre escolher entre ser Criador ou Criatura, que não precisaria ficar me preparando para ser o melhor empregado, mas que poderia criar meus negócios, empreender, e que mesmo que resolvesse ser empregado, deveria empreender dentro da empresa em que estivesse;

-Que relacionamentos pessoais, a importância de se levar em conta coisas como as emoções das pessoas, seriam mais importantes do que tabelas periódicas;

-Que comportamento, atitude, comprometimento, integridade, seriam bem mais importantes do que integrais e derivadas;

-Que se para ser um bom médico eu deveria estudar medicina, para ser bem sucedido financeiramente, eu deveria aprender muito sobre dinheiro, buscar educação financeira constantemente, entender que mais importante do que a quantidade de dinheiro que eu poderia ter, seria a minha forma de pensar e agir em relação ao dinheiro;

-Que cada um de nós é um ser muito mais poderoso do que pensa, que aquela criança que eu era como aluno, poderia ser o que quisesse quando crescesse, e que no fim nem precisaria esperar crescer, já poderia ‘criar meu futuro’ desde cedo;

-Que desculpas perpetuam a mediocridade;

-Que pessoas que fracassam vivem reclamando, acusando ou dando desculpas enquanto pessoas de sucesso vivem decidindo, planejando e realizando;

-Que pessoas especiais alcançam resultados especiais, e que todos somos especiais;

-Que o maior problema que um prejuízo pode nos trazer, é o de não aprendermos a lição que ele nos traz;

-Automotivação; Que eu não deveria esperar que alguém me motivasse, que eu teria sempre uma energia própria para me motivar, que o estímulo deveria vir sempre de mim e não dos outros;

-Que deveria aprender muito sobre comunicação, e reduziria muito a chance de criar problemas na minha carreira e nos meus relacionamentos;

-Que deveria aprender a vender desde cedo, e aprender muito sobre isso, pois passaria a vida vendendo, no mínimo, vendendo ideias;

-Que o mundo seria sempre como eu pensasse que ele é, que minha forma de pensar definiria minha forma de enxergar tudo;

-Que mindset adequado é essencial! O modelo mental mudaria tudo, que mais importante do que tudo que acontecesse na minha vida, seria a forma como eu reagiria a tudo que acontecesse. Que eu poderia definir qual significado daria para cada acontecimento, a cada momento;

-Que “mindset é contagioso”. Que eu deveria andar e seguir pessoas com bons pensamentos, bons comportamentos e bons resultados, e então ficaria muito mais fácil eu me tornar uma delas. Que eu seria sempre a média das 5 pessoas com quem eu mais andaria;

-Que eu poderia superar medos agindo, que o medo é como uma fumaça, uma névoa, que se fico parado, vai subindo e acaba tampando minha visão, mas quando começo a me movimentar, ela não apresenta resistência, e se dou alguns passos, saio dela com facilidade. Que a melhor forma de vencer o medo sempre, seria agindo;

-Que conhecimento seria importante, mas conhecimento sozinho só me faria enxergar mais longe. Que vontade é que me tiraria do lugar. Só conhecimento me faria ser um farol na praia, iluminaria longe mas eu ficaria estático. Só vontade me faria andar, mas sem enxergar o que estaria na minha frente. Que conhecimento com vontade me fariam alcançar o que eu quisesse;

-Que a diferença entre o que eu era e a pessoa que ganhava 100 vezes mais, era que ele sabia alguma coisa mais do que eu, e então colocava em prática. Então, eu deveria aprender, buscar conhecimento até saber o que ele sabia, conhecimento relevante, algo além de entender equações e mitoses, e então colocar em prática;

-Que eu deveria muitas vezes fazer menos, e não mais, escolher a coisa que realmente faria diferença para alcançar o que eu quisesse, e dizer não para as outras. Que foco seria essencial;

-Que saber a data do descobrimento do Brasil poderia até importar, mas que ter controle sobre meu comportamento e minhas emoções seria muito mais importante sempre;

-Que deveria aprender a planejar, mas que ainda mais importante do que isso, seria aprender a executar muito bem o que foi planejado;

-Que nós é que mandamos na nossa mente, e ela normalmente vai tentar nos deixar na zona de conforto e vai arrumar argumentos para nos limitar, para nos deixar onde estamos, onde é mais seguro. Que podemos e devemos confrontá-la, e isso seria essencial para crescer;

-Que o que fazemos com o nosso corpo, nossa postura e hábitos, mudaria nosso estado mental, e isso seria determinante, pois assim nós poderíamos influenciar diretamente nosso ânimo;

-Que eu poderia ‘construir sorte’ sempre que quisesse, bastaria me preparar ainda mais;

-Que eu sempre precisaria sempre SER, antes de querer TER;

-PNL;

-Que deveria aprender bastante sobre intuição;

-Que não precisaria me importar tanto com a religião, mas deveria aprender muito sobre espiritualidade, pois isso mudaria tudo;

-Que em vez de ficar tentando saber qual seria meu propósito nesta vida, eu deveria criar algo que tivesse algum propósito nesta vida;

-Que a escola não me ensinaria boa parte das coisas que eu realmente deveria aprender para ser uma pessoa bem sucedida na vida.

Do que lembrei até aqui, é isso.

Mas atenção, não sou contra a escola, tanto que quase não saí dela até meus 40 anos, foram uns 25 anos dentro da sala de aula, entre meu jardim da infância e meu último MBA (4 anos em 2 bons MBA’s + 2 anos em 1 pós + 5 anos na graduação + 4 anos de colégio técnico + 8 anos da 1ª à 8ª + 2 no pré e jardim da infância), porém as coisas mais importantes da vida realmente não aprendi lá.

Por isso tudo, não se assuste se me vir fazendo uma grande fogueira com meus diplomas, transmitindo tudo ao vivo pelo Periscope. Sempre achei que esses papeis valeriam muito pouco, e estava atrás de conhecimento, mas no fim os melhores venho encontrando em outros lugares.

Pense que provavelmente vários das profissões mais desejadas, ou que mais pagam, em 2026, nem existem hoje. Como uma escola vai te preparar para elas se ensinar agora como se ensinava em 1950?

Não precisamos do trivial, precisamos de escolas que ensinem o comportamental, precisamos ler em casa e fazer o trabalho prático na sala de aula (ou na jardim fora da sala), precisamos de escolas com mais likes e menos notas, com mais sonhos e menos fórmulas.

Para receber meus conteúdos sobre carreira e comportamento profissional, cadastre-se clicando aqui.

Pin It on Pinterest

Share This